Como Traduzir Custos em Valor – Integrando BSC e TI | E-Consulting Corp.
Grupo ECC E-Consulting Corp. DOM Strategy Partners Instituto Titãs Inventures

O Grande Paradoxo de TI

Muitos CIOs já se deram conta da insuficiência de se medir o valor (e os gastos) associado à TI simplesmente com métricas tecnológicas. Este é o grande paradoxo de TI. De um lado, exerce um papel importante na geração de valor e crescimento do negócio (através da automação, revisão de processos, inovação, etc); de outro, é geralmente incapaz de provar seu valor.

A razão disso é que os demais executivos da organização são incapazes de traduzir métricas tecnológicas em métricas de “valor”. Para eles, métricas tecnológicas significam “nada” (ou seja, não contribuem para a geração de valor). E, como significam “nada”, são tratadas como custos. Ao serem tratadas como custos, passam a ser objetos de redução de custos… e o resto da história todos já sabemos…

Os demais executivos de uma organização precisam ser capazes de compreender como a infra-estrutura, processos e aplicativos de TI auxiliam no atingimento dos objetivos corporativos e na geração de valor para a empresa e para seus acionistas.

A adoção de métricas estratégicas baseadas em modelos como o BSC permite aos responsáveis pela TI migrarem da “linguagem dos custos” para a “linguagem do valor”.

Apresentando o BSC

O BSC é uma metodologia que permite monitorar o desempenho de uma organização à luz de suas escolhas estratégicas.

A metodologia utiliza métricas financeiras e não financeiras para gerenciar as partes de uma organização que não estão alcançando o desempenho esperado. Uma pesquisa realizada pela consultoria Bain & Company revelou que cerca de 60% das grandes empresas mundiais utilizam o BSC – em algum nível de implementação – como ferramenta estratégica.

 

Modelo de BSC Tradicional

O modelo original prevê quatro dimensões: Financeira, Clientes e Mercados, Processos Internos e Aprendizado & Crescimento. Tais dimensões são contrapostas à luz da missão e da estratégia da organização. Da mesma forma, o BSC pode incorporar em seu modelo a gestão do desempenho da TI e sua contribuição aos objetivos da organização.

Link:  INSERIR VÍDEO
Trecho da entrevista Dr. Kaplan à Management TV sobre BSC (duração 4 min) – Legenda em Português

Integrando BSC e TI
Martinsons e Tse* sugeriram uma modificação no modelo tradicional que permite gerenciar a TI estrategicamente. De acordo com os autores, as quatro perspectivas seriam:

  1. Orientação ao Futuro (ante Aprendizado) – Como garantir a melhoria futura?
  2. Orientação ao Usuário (ante Cliente) – Como os clientes enxergam TI?
  3. Valor para o Negócio (ante Financeiro) – Como garantir que a TI gere valor para o negócio?
  4. Excelência Operacional (ante Processos Internos) – Como garantir que TI seja eficiente?

 

BSC de TI

Conclusão

Comunicar a contribuição da TI para a geração de valor do negócio é muito importante. Dessa maneira evita-se que o orçamento de TI seja tratado apenas como custo e, portanto, objeto de “redução de custos”.

A utilização de um framework modificado a partir da dinâmica do BSC pode permitir a tradução das métricas tecnológicas da TI em métricas de performance de negócios e métricas estratégicas de valor. Dessa maneira, o foco em redução de custos passa a ser um foco importante em gestão de performance; ap passo que a inovação via TI pode ser, por exemplo, relevante para a geração de valor. Para tanto, é necessário que os gestores de TI sejam capazes de identificar e selecionar as métricas relevantes para seu negócio a partir dos drivers estratégicos da organização, do mercado e do modelo produtivo-operacional da empresa.

Caso tenha interesse em conhecer mais sobre a metodologia entre em contato conosco.

Referências
*http://maaw.info/ArticleSummaries/ArtSumMartinsonsDavisonTse99.htm

Os comentários estão fechados.

Scroll to Top