Grupo ECC E-Consulting Corp. DOM Strategy Partners Instituto Titãs Inventures

Estudo da E-Consulting Corp. analisa as Tendências que vão Impactar TI este Ano

Portal Tele Sintese – Março, 2014

 

Estudo da E-Consulting analisa as tendências que vão impactar TI este ano

A E-Consulting divulgou esta semana o estudo “7 HotTechs 2014″ realizada pelo TechLab, seu laboratório de pesquisas e análises de tecnologia, no qual aponta sete tendências que terão impacto na vida dos CIOS e de outros profissionais do mundo corporativo, assim como influenciarão a forma como as pessoas interagem na web. Entre elas, a massificação do mercado de aplicativos, principalmente a partir da maior escala de BYOD (Bring Your Own Device), nuvens colaborativas e o estabelecimento de multicanais de relacionamento com o cliente.

Os SelfApps, modelo no qual o usuário comum se torna também co-desenvolvedor e disseminador dos aplicativos, foi classificada pela E-Consulting entre as sete tendências. Para a consultoria, a massificação do mercado de Apps, tanto para o usuário final quanto para o corporativo, será potencializada por várias tecnologias, como Big Data, EaaS (Everything as a Service, na sigla em inglês) e nuvem. Ao mesmo tempo, há uma disponibilidade de dispositivos conectados à Internet, todos multimídia, multiformatos e abertos à colaboração nas redes sociais, com grande aderência do BYOD, que vai levar as SelfApps a se tornarem dominantes, como evolução dos ‘aplicativos colaborativos’ que apareceram no levantamento do ano passado.

O cenário das nuvens colaborativas, para a empresa, também virá como evolução, dessa vez das nuvens corporativas privadas. Segundo a E-Consulting, o mercado de cloud tem amadurecido e enfrenta novos desafios, como disponibilidade, acesso e segurança. A empresa prevê que este ano mais de 40% das organizações vão passar pelo menos um centro de dados para o cloud público. E das 500 maiores, cerca de 35% estarão trabalhando com cloud corporativas privadas. Mas para a consultoria, a definição dessa área vai passar pelo desenvolvimento e compartilhamento de nuvens privadas entre empresas de uma mesma cadeia de suprimentos.

O levantamento “7 HotTechs” também aponto o RTU Data (Ready To Use Data) como uma das tendências que terá impacto. Na análise da consultoria, quem quer entrar no mundo Big Data de forma orientada a negócios deverá investir ainda este ano em modelos e plataformas de integração e tratamento dos dados proprietários e não proprietários.

No conceito EMCE (Enterprise Multichannel Enabling) as empresas reconhecem que seu público já é multicanal e tem pela frente o desafio de oferecer produtos, serviços, conteúdo, mensagens, colaboração e outras formas de interação multimídia e multiformato garantindo integração, sequenciamento, uniformidade de dados (visão única do cliente), especificidade de abordagens (por perfil, por produto, por canal, por etapa do relacionamento, dentre outras) e inteligência pronta para uso (CRM, BI e Analytics). Com isso, abre-se um enorme espaço para a criação de ambientes e tecnologias habilitadoras dessa multicanalidade integrada, capazes de fazer isso acontecer com qualidade, controle, uniformidade e usos eficientes de valor agregado, inclusive compreendendo em sua arquitetura, modelos como Big Data, Cloud e IaaS ( do inglês, Infrastructure as a Service).

O levantamento da E-Consulting ainda aborda o Humanweb como uma das tendências, considerando que tudo está potencialmente online e que por cada nó de rede – por cada ser humano conectado – passarão os impulsos informacionais. É, mais ou menos, como se cada ser humano, e todos os seus devices, fossem um elo na arquitetura da mega rede de informações, assim como os computadores já o são.

Outra tendência apurada é o Consumer Driven Organizations, quando todas as áreas de TI se tornam áreas-fim em produtos, serviços, inovação, relacionamentos, canais, conteúdo e outras relacionadas. No primeiro passo, já em andamento, a área passa a ser considerada estratégica (atendimento aos clientes internos) e em seguida – e essa é a tendência-chave – se tornam mais fim, atendendo aos clientes e usuários finais e respondendo por desenvolver, desenhar, operar e gerir, no mínimo, em conjunto com o negócio, os produtos e serviços.

Por fim, está o conceito MCC (Mobilidade, Convergência e Colaboração) que, para a E-Consulting, é o futuro da TI corporativa. A arquitetura operacional, proporcionada pela TI vai determinar a eficiência do modelo de negócio das empresas e sua capacidade de integração e colaboração com sua cadeia de valor, especialmente os clientes/consumidores. Isso envolve uma completa revisão e readequação estratégica de seu parque tecnológico (infra, sistemas, plataformas, aplicações, incluindo mainframe) para os padrões MCC.

Os comentários estão fechados.

Scroll to Top