Web 2.0.10 | E-Consulting Corp.
Grupo ECC E-Consulting Corp. DOM Strategy Partners Instituto Titãs Inventures

Segundo dados do indicador Varejo Online (VOL) produzidos trimestralmente pela E-Consulting Corp., apenas no Brasil, em 2010, o Varejo Online atingirá a marca de 23,65 bilhões de reais, um crescimento de 8,4% em relação à 2009. Para 2012, estima-se que 31,35 bilhões de reais serão transacionados de forma online entre empresas e consumidores.

Afora bens de consumo, que responde pelo pilar mais visível do varejo online, dentre os principais mercados podemos destacar a evolução da atividade em Autos, Turismo e Media, como mostra o gráfico abaixo:

img01.jpg

 

Diante de tal panorama histórico (nos últimos 8 anos foram mais de 500% de crescimento, sobre uma base de 4,3 bilhões), não é nenhuma novidade que a Web tem se tornado cada vez mais a menina dos olhos dos executivos e empresários, tanto no curto como no longo prazo. Como explorar tais oportunidades já no próximo quarter? Como construir uma arquitetura transacional cada vez mais intangível, virtual e flexível? Como conhecer os clientes, se relacionar e gerar mais vendas? Etc.

Apesar da tentação de se desenvolver novos ambientes de forma pontual ou de inserir uma mega estrutura digital da noite para o dia – modelo top down – a forma mais efetiva de se inserir a Web nos negócios com os clientes é de forma orgânica, combinada com planejamento e inteligência.

Para tanto, a empresa deve partir das necessidades e possibilidades atuais derivadas dos principais modelos, processos e atividades transacionais, de relacionamento e de comunicação com seus diferentes perfis de cliente, e verificar como as tendências, ferramentas e funcionalidades associadas à Web podem aprimorá-las, potencializá-las, maximizá-las ou mesmo redefini-las. Essa é a melhor forma de se destinar corretamente os recursos e investimentos para o mundo digital.

Deve-se olhar simultaneamente em volta e para dentro da empresa. Exemplo: a Mobilidade é um passo natural para toda e qualquer empresa que já atua na Web. Porém, conforme a audiência migra cada vez mais para as mini-telas e os formatos de Web se renovam, as tradicionais estratégias de Push-Pull perdem a efetividade e são substituídas pelo Follow. Só que nesse caso, são as empresas que devem acompanhar clientes e consumidores de forma proativa e intuitiva para onde quer que estejam.

As empresas que desejam fazer parte do novo mundo do relacionamento, colaboração, conteúdo, branding e transação 2.0 deverão ter claras as características dos desafios que irão enfrentar. A dinâmica da atuação digital é distinta e uma vez inserida no modelo de negócio, altera significativamente os processos corporativos – mesmos os mais maduros e estabelecidos, além de impactar em variáveis fundamentais, como posicionamento de marcas, modelos de competição e interatividade com seus públicos.

Dessa forma, não basta provisionar um investimento significativo para Web se a estratégia de atuação (e mais ainda, de inserção da Web no âmbito corporativo) não estiver bem definida e consensada com os principais públicos internos, que na grande maioria dos casos, terão que “mostrar a cara”, respondendo aos questionamentos e dando satisfação (em tempo real!) para seus clientes.

Preparada ou não, cedo ou tarde, será imperativo às empresas destinarem recursos relevantes para a Web – do desenvolvimento à comunicação. A curva de investimento cresce a cada ano e quanto mais tarde uma empresa compreender seu futuro inexorável, menos chances terá para competir nos novos mercados.

Os comentários estão fechados.

Scroll to Top